Um artigo publicado em 16 de agosto, intitulado “Como moedas digitais privadas afetam a política do governo?“,por Max Raskin (Faculdade de Direito da Universidade de Nova York), Fahad Saleh (da Universidade McGill) e David Yermack (da NYU Stern), afirma que a existência das criptomoedas privadas descentralizadas, como o Bitcoin (BTC), tem um impacto positivo sobre a política fiscal e regulatória do governo.

Para os analistas, a influência das criptomoedas não se limita a se a maioria da população opta por usá-las, mas que a simples existência delas já produz um impacto contrafactual na medida em que elas funcionam como uma verificação da política fiscal e regulatória.

3 impactos positivos das criptos por elas simplesmente existirem

Para os autores, as criptomoedas impactam positivamente o sistema monetário em três importantes áreas:

Diversificação e Menor inflação -Em primeiro lugar, a existência das criptomoedas oferece aos cidadãos diversificação, garantindo a estes ganhos de bem-estar. Além disso, as moedas digitais servem como concorrência para o investimento local, restringindo a política monetária, gerando, assim, menor inflação.

Complemento – Em segundo lugar, os autores afirmam que as criptomoedas incentivam o investimento local e servem como complemento , não como substituto, desse investimento. Ao oferecer uma alternativa a moeda fiduciária, elas disciplinam a política monetária – novamente reduzindo a inflação – levando a retornos mais altos do investimento e, portanto, mais investimento em geral.

Beneficia o Governo – Em terceiro lugar, o governo se beneficia ao permitir o uso de criptomoedas na economia local, uma vez que extrai receita através de impostos, beneficiando-se assim dos altos níveis de investimento.

Fonte: Cointelegraph

Deixe seu comentário